Blog do Instituto Líderes do amanhã

Acompanhe as atualizações

Violência contra a mulher

Artigo de Opinião – Por Gabriela Moraes, Associada Trainee do Instituto Líderes do Amanhã

Autonomia violada. Ciclos de violência. Novos começos árduos. Estas não são meras frases; elas são uma realidade áspera e persistente na vida de muitas mulheres. A violência contra a mulher não se configura apenas como uma crise de segurança pessoal, mas como um roubo da liberdade individual, em que o medo se infiltra e sabota a soberania do ser. Romper com esse ciclo é um ato de resgate da própria liberdade.

Ser livre, contudo, não é apenas uma ausência de grades. Ela é construída sobre alicerces de autoestima e autodeterminação. Cada decisão de não aceitar o inaceitável é um tijolo na construção da dignidade. Este princípio é claramente explicado por Abraham Maslow em sua pirâmide das necessidades. Segundo Maslow, as necessidades humanas são organizadas em uma hierarquia, onde a base é formada por necessidades fisiológicas e de segurança. Segurança, em particular, é vista como essencial para a estabilidade mental e emocional. Sem a garantia de segurança, é impossível para um indivíduo alcançar níveis mais elevados de desenvolvimento pessoal, como autoestima e autorrealização. A segurança proporciona a base necessária para que as pessoas possam explorar suas potencialidades, estabelecer metas e perseguir sonhos. Sem essa fundação sólida, as demais necessidades ficam comprometidas, impedindo o pleno florescimento do indivíduo.

Além disso, habilidades como assertividade e a capacidade de dizer não, promovidas pela terapia cognitivo-comportamental, são ferramentas essenciais na recuperação do controle pessoal. A terapia cognitivo-comportamental ensina que afirmar os próprios direitos e estabelecer limites claros são passos cruciais para a saúde mental e emocional. Ao desenvolver essas habilidades, as pessoas podem proteger sua dignidade e bem-estar, evitando situações de abuso e violência. Portanto, a liberdade verdadeira é um processo contínuo de fortalecimento interno, onde a segurança e a assertividade desempenham papéis fundamentais na promoção da autodeterminação e do respeito próprio.

O primeiro passo para a libertação de tais ciclos é o reconhecimento dos sinais de perigo, uma estratégia de autoconsciência e antecipação. O conhecimento, nesse contexto, é uma ferramenta de poder. A psicologia enfatiza a importância de identificar padrões nocivos para prevenir a repetição de comportamentos abusivos. Estratégias de empoderamento individual, baseadas em estudos psicológicos e práticas terapêuticas, mostram-se eficazes na prevenção e no rompimento do ciclo de violência.

A reconquista da autonomia é uma estratégia que começa com a prática do autoconhecimento. Encorajar mulheres a refletirem sobre suas experiências internas abre caminho para um entendimento mais profundo de si mesmas. Tais reflexões podem ser facilitadas por meio sessões de terapia, por exemplo, para reexaminar e redefinir a narrativa pessoal. Essa introspecção é crucial para identificar valores essenciais e estabelecer limites claros, elementos fundamentais para romper com padrões abusivos.

No espectro do empoderamento, a comunicação assertiva é uma estratégia e uma habilidade inestimável. Ensinar às mulheres como expressar suas necessidades e defender seus direitos é uma etapa chave para estabelecer e manter limites saudáveis. Isso não apenas equipa as mulheres para negociações diárias, mas também fortalece sua capacidade de evitar ou sair de situações abusivas, mantendo a dignidade e a autonomia intactas.

O desenvolvimento de habilidades pessoais e profissionais é outra estratégia igualmente importante na busca pela independência econômica. A capacitação profissional pode ser um divisor de águas para as mulheres que buscam sair de relacionamentos abusivos. Paralelamente, a formação de redes de apoio — que incluem amigos e familiares — é outra estratégia relevante.

Juntos, esses recursos fornecem as ferramentas necessárias para que as mulheres possam construir uma nova vida, uma marcada pela liberdade individual e respeito próprio.

A capacidade de tomar decisões com autonomia é a verdadeira liberdade. Cada escolha consciente e cada limite estabelecido são passos em direção à recuperação da dignidade pessoal de uma mulher em situação de violência. A terapia cognitivo-comportamental oferece estratégias para reforçar a assertividade e a habilidade de impor barreiras saudáveis.

Uma abordagem sensata e individualizada é crucial para a saída do ciclo de violência. O empoderamento vem da construção de um ambiente de suporte que reconhece a força interna da mulher e a capacita a fazer escolhas assertivas. Modelos de intervenção psicológica, como a terapia focada em soluções, proporcionam caminhos para que as mulheres reescrevam suas histórias, não como vítimas, mas como sobreviventes e arquitetas de suas próprias vidas.

A luta contra a violência é uma jornada em busca da recuperação da autonomia. O ciclo de violência é uma prisão sem grades, onde as amarras, apesar de invisíveis, são profundamente limitadoras.

Por fim, este artigo é um lembrete da necessidade de enfrentar essa questão não só com empatia, mas com estratégias concretas que devolvam a cada mulher seu direito inerente de ser autônoma em sua própria vida e destino. Afinal, a violência é uma afronta à liberdade — e é na liberdade que se encontra a essência da nossa humanidade.

Autor

Gabriela

Gabriela Moraes Oliveira

Associada Trainee

Private Construtora

Últimos artigos e notícias

Raphael Ribeiro dos Santos

15/07/2024

Alan Mori Brito Soares

15/07/2024

Raphael Ribeiro dos Santos

15/07/2024

Raphael Ribeiro dos Santos

15/07/2024

Raphael Ribeiro dos Santos

15/07/2024

Inscreva-se na Newsletter